BNCC e Elefante Letrado

O Elefante Letrado se integra às novas práticas sociais de leitura (BNCC), em que o ambiente digital vem assumindo progressivamente maior relevância como portador de textos. Não substitui o livro impresso, a frequência às bibliotecas físicas, tampouco o papel do professor, mas soma-se às práticas pedagógicas como um inovador instrumento pedagógico, projetado para possibilitar que os alunos relacionem textos com suas condições de produção, com seu contexto sócio-histórico de circulação,  identifiquem sua intencionalidade e analisem criticamente discursos e recursos expressivos.

Na tabela abaixo, são destacados os pontos de maior aderência da Plataforma de Leitura ao que dispõe a nova BNCC (Base Nacional Comum Curricular):

BNCC (2018)

ELEFANTE LETRADO

LEITURA PARA
AMPLIAÇÃO DO REPERTÓRIO DE EXPERIÊNCIAS
“O Eixo Leitura compreende as práticas de linguagem que decorrem da interação ativa do leitor/ouvinte/espectador com os textos escritos, orais e multissemióticos e de sua interpretação, sendo exemplos as leituras para: fruição estética de textos e obras literárias; pesquisa e embasamento de trabalhos escolares e acadêmicos; realização de procedimentos; conhecimento, discussão e debate sobre temas sociais relevantes; sustentar a reivindicação de algo no contexto de atuação da vida pública; ter mais conhecimento que permita o desenvolvimento de projetos pessoais, dentre outras possibilidades.” (p. 69)
• A plataforma apresenta uma biblioteca digital com mais de 530 livros selecionados para o público dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, composta por obras de diversos gêneros textuais, autores e temáticas, com o objetivo de proporcionar a ampliação da bagagem cultural e do repertório de experiências dos estudantes por meio da formação do hábito da leitura.
DECISÕES PEDAGÓGICAS
ORIENTADAS
PARA O
DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS
“[   ] a BNCC indica que as decisões pedagógicas devem estar orientadas para o desenvolvimento de competências. Por meio da indicação clara do que os alunos devem “saber” (considerando a constituição de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores) e, sobretudo, do que devem “saber fazer” (considerando a mobilização desses conhecimentos, habilidades, atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho), a explicitação das competências oferece referências para o fortalecimento de ações que assegurem as aprendizagens essenciais definidas na BNCC.” (p. 13)
• O desenvolvimento e a avaliação da compreensão  leitora são feitos na plataforma por meio de jogos de perguntas sobre os livros.
• As perguntas estão associadas a descritores de compreensão leitora (num total de 15, usados pelo Saeb e validados pela nova BNCC), os quais discriminam três grandes habilidades de leitura:
 identificar as informações explícitas no texto;
→ relacionar partes do texto;
→ realizar inferência de informações.
• Notadamente, as habilidades de leitura estão na base de sustentação das dez competências gerais previstas pela BNCC para a Educação Básica.
FOCO NA
EQUIDADE,
RECONHECENDO
QUE AS
NECESSIDADES
DOS
ESTUDANTES
SÃO DIFERENTES
“[   ] os sistemas e redes de ensino e as instituições escolares devem se planejar com um claro foco na equidade, que pressupõe reconhecer que as necessidades dos estudantes são diferentes. (p. 15) . Para tanto, devem (p.17):
• “selecionar e aplicar metodologias e estratégias didático-pedagógicas diversificadas, recorrendo a ritmos diferenciados e a conteúdos complementares, se necessário, para trabalhar com as necessidades de diferentes grupos de alunos, suas famílias e cultura de origem, suas comunidades, seus grupos de socialização etc.”
•  construir e aplicar procedimentos de avaliação formativa de processo ou de resultado que levem em conta os contextos e as condições de aprendizagem, tomando tais registros como referência para melhorar o desempenho da escola, dos professores e dos alunos;
• selecionar, produzir, aplicar e avaliar recursos didáticos e tecnológicos para apoiar o processo de ensinar e aprender.
• Organizada para atender às necessidades e possibilidades de alunos em cinco diferentes níveis de proficiência na leitura, a plataforma entende que as turmas de estudantes não são homogêneas, tampouco que as crianças aprendam no mesmo ritmo e manifestem os mesmos interesses. A plataforma permite que sejam parametrizados por estudante o nível de dificuldade das leituras e o grau dos desafios de compreensão leitora que lhe serão propostos. 
• A partir de uma primeira avaliação da competência leitora de cada estudante, realizada pelo professor, é possível fazer ajustes na classificação dos alunos por nível de proficiência. Após incluído na plataforma, o aluno avançará no seu ritmo de aprendizagem, avançando nos níveis de proficiência à medida em que lê e realiza com sucesso as atividades de compreensão leitora.
• O professor pode atribuir tarefas específicas a cada aluno ou grupo de alunos, conforme a necessidade.
O LÚDICO COMO FORMA DE MOBILIZAR A ATITUDE
ATIVA NA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS
“A BNCC do Ensino Fundamental – Anos Iniciais, ao valorizar as situações lúdicas de aprendizagem, aponta para a necessária articulação com as experiências vivenciadas na Educação Infantil. Tal articulação precisa prever tanto a progressiva sistematização dessas experiências quanto o desenvolvimento, pelos alunos, de novas formas de relação com o mundo, novas possibilidades de ler e formular hipóteses sobre os fenômenos, de testá-las, de refutá-las, de elaborar conclusões, em uma atitude ativa na construção de conhecimentos.” (p. 55)
 “As características dessa faixa etária demandam um trabalho no ambiente escolar que se organize em torno dos interesses manifestos pelas crianças, de suas vivências mais imediatas para que, com base nessas vivências, elas possam, progressivamente, ampliar essa compreensão, o que se dá pela mobilização de operações cognitivas cada vez mais complexas e pela sensibilidade para apreender o mundo, expressar-se sobre ele e nele atuar.” (p. 56)
• Uma das estratégias empregadas para engajar mais os alunos no processo da formação do hábito da leitura e no desenvolvimento da compreensão leitora é a gamificação. O processo de realização de leituras e jogos de perguntas implica a “evolução no jogo”.  Essa evolução é contabilizada na forma de pontos – que são o modo como a plataforma fornece a cada estudante o  feedback sobre o acréscimo em seu repertório cultural.
• À criança é permitida a escolha de livros, de modo que cada uma faz, dentro da curadoria pensada para a sua faixa etária, seu próprio percurso de leitura. O professor, por sua vez, poderá recomendar leituras complementares específicas aos seus alunos, com vistas à ampliação de suas vivências ou ao trabalho com dificuldades de aprendizagem encontradas.
LETRAMENTO DIGITAL
“Há que se considerar, ainda, que a cultura digital tem promovido mudanças sociais significativas nas sociedades contemporâneas. Em decorrência do avanço e da multiplicação das tecnologias de informação e comunicação e do crescente acesso a elas pela maior disponibilidade de computadores, telefones celulares, tablets e afins, os estudantes estão dinamicamente inseridos nessa cultura, não somente como consumidores.”(p. 59)
“[   ] é imprescindível que a escola compreenda e incorpore mais as novas linguagens e seus modos de funcionamento, desvendando possibilidades de comunicação (e também de manipulação), e que eduque para usos mais democráticos das tecnologias e para uma participação mais consciente na cultura digital. Ao aproveitar o potencial de comunicação do universo digital, a escola pode instituir novos modos de promover a aprendizagem, a interação e o compartilhamento de significados entre professores e estudantes.”(p. 59)
“Não se trata de deixar de privilegiar o escrito/impresso nem de deixar de considerar gêneros e práticas consagrados pela escola, tais como notícia, reportagem, entrevista, artigo de opinião, charge, tirinha, crônica, conto [    ] etc., próprios do letramento da letra e do impresso, mas de contemplar também os novos letramentos, essencialmente digitais.” (p. 67)
• O livro eletrônico é um novo desafio para o ensino da leitura e das competências leitoras. O livro impresso deixou de ser o único objeto de leitura. Num futuro mais do que próximo, o livro eletrônico será o formato padronizado em que a informação circula, motivo pelo qual o Elefante Letrado vem oferecer participação em  cultura mediada por outro conjunto de dispositivos audiovisuais e por outras maneiras de ler.
• Ainda que o texto escrito seja o centro do trabalho da plataforma de leitura, outros recursos expressivos típicos do ambiente digital (animação, som) estão integrados ao livro infantil. Esses recursos são utilizados tão somente para valorizar determinados aspectos da obra, que podem auxiliar as crianças no seu processo de atribuição de significados ao texto.
• Na plataforma, o aluno não é um mero receptor. Ele interage, toma decisões, analisa seu desempenho. 
DIVERSIDADE CULTURAL
“Dessa forma, a BNCC procura contemplar a cultura digital, diferentes linguagens e diferentes letramentos, desde aqueles basicamente lineares, com baixo nível de hipertextualidade, até aqueles que envolvem a hipermídia. Da mesma maneira, imbricada à questão dos multiletramentos, essa proposta considera, como uma de suas premissas, a diversidade cultural. Sem aderir a um raciocínio classificatório reducionista [     }, é importante contemplar o cânone, o marginal, o culto, o popular, a cultura de massa, a cultura das mídias, a cultura digital, as culturas infantis e juvenis, de forma a garantir uma ampliação de repertório e uma interação e trato com o diferente.  (p. 68 e 73)
“Leitura no contexto da BNCC é tomada em um sentido mais amplo, dizendo respeito não somente ao texto escrito, mas também a imagens estáticas (foto, pintura, desenho, esquema, gráfico, diagrama) ou em movimento (filmes, vídeos etc.) e ao som (música), que acompanha e cossignifica em muitos gêneros digitais.” (p. 70)
• Mais de 300 autores brasileiros e estrangeiros
• Mais de 250 ilustradores
• 21 gêneros textuais
• Cerca de 45 temáticas
• Literatura infantil clássica e contemporânea
• Presença de livros com imagens estáticas (desenhos, pintura, montagem com materiais diversos, gráficos, mapas, fotos), em movimento (animações/ interações) e sons (áudio de narrações, efeitos sonoros).

 

Gostou? Veja também: BNCC: especialista orienta maneiras de adequar os projetos pedagógicos das escolas ao novo currículo proposto

Sem Comentários

Deixe um Comentário!

O seu e-mail não vai ser publicado!

Fale Conosco

+55 51 3407-8090
suporte@elefanteletrado.com.br